Fale Conosco

[recaptcha]
 

* Campos Obrigatórios

 

“Musculação: A mentira para o corpo, exercícios isolados para gerar força integrada”

“Musculação: A mentira para o corpo, exercícios isolados para gerar força integrada”

Você já percebeu a artificialidade de corpo extremamente musculosos quando estão em movimentos diários como correr, andar, praticar algum esporte ou executando alguma tarefa ?

Algumas pessoas chegam a dizer que musculação “emburrece” o corpo. E pode ser verdade !

A principal lei para o corpo é a lei da ADAPTAÇÃO, por isso, dá as repostas para cada estímulo que proporcionamos a ele. Por exemplo, se você beber pouca água, seu corpo vai se adaptar a essa situação, e vai passar a reter mais líquido, com isso gerando inchaço e fazendo você ter pouco volume urinário.

Com exercício é a mesma coisa.

Obtemos aquilo que treinamos !

Assim, treinar em máquinas faz com que a sincronicidade, tão importante em movimentos livres do dia a dia, como 360 graus de liberdade, não sejam treinados. Dessa forma, um treinamento baseado APENAS em exercícios de força em equipamentos e aparelhos que “guiam o movimento” faz com que nossos corpos fiquem “burros para o movimento”.

Nosso corpo tem linhas de movimento, como se fossem correntes interligadas, as quais permitem ao mesmo tempo, controle e transmissão de força.
Essas linhas de movimento, quando trabalham por um objetivo comum, formam os Pilares de Movimento.

Pilares de movimento são classes, tipos de movimentos, que são entendidos pelo corpo. É como se fosse uma classificação entendida pelo corpo como sendo uma linha de transmissão de energia, de forma orgânica, natural, com 360 graus de liberdade !

Logo, se queremos um corpo forte para o esporte e para a vida devemos treinar os Pilares de Movimento, pois esta é a linguagem do corpo. Se queremos prevenir lesões e melhorar a nossa condição corporal, não há maneira melhor de se treinar do que utilizando um treinamento que leve em consideração esta realidade !

Uma das maiores referências de treinamento funcional no mundo, Juan Carlos Santana definiu os quatro pilares de movimentos compreendidos pelo corpo.

O primeiro pilar de movimento é a locomoção. Este é o principal o padrão de movimentação humana. O nosso corpo evoluiu para se locomover.

Evoluímos 7 milhões de anos do padrão quadrúpede para o bípede, exatamente, para nos locomovermos melhor !

Duas das principais características da locomoção são a estabilidade em uma perna só e a rotação. A locomoção ocorre em uma perna de cada vez, criando uma estrutura que transfere as forças do chão para o restante do corpo. Isso é chamado de figura em sete.

A rotação é um componente essencial da locomoção, ela é necessária para anular a força rotacional entre a parte superior e a parte inferior do corpo, o que mantém o alinhamento corporal e o equilíbrio necessário para locomoção eficiente.

Outro pilar de movimento humano envolve as mudanças de nível no centro de massa de qualquer pessoa (agachamentos). Essas mudanças de nível são necessárias para realizar muitas tarefas do aparelho locomotor, como pegar objetos, abaixar-se, subir escadas, ou levantar-se do chão. Os principais movimentos que representam a mudança de nível são os agachamentos em duas pernas, em uma perna só, as subidas de escada, os agachamentos laterais, os avanços e retrocessos.

O principal método de produção de força no membro inferior, no terceiro pilar de movimento, é a tripla extensão. Quando agachamos controlamos a força da gravidade através de da flexão do tornozelo, joelho e quadril, e, quando nos impulsionamos para cima ou para frente, realizamos a tripla extensão dessa 3 articulações ! Sendo assim é pilar de movimento deve ser treinado em exaustão, por ser fundamental para todos os movimentos do dia a dia.

O terceiro pilar do movimento humano envolve empurrar e puxar. Estes movimentos podem estar associados ao deslocamento do centro de massa do corpo, principalmente em gestos esportivos e movimentos do dia a dia.

Movimentos de puxar são classificados quando aproximamos os braços ao centro de massa corporal, podendo ser realizado horizontalmente verticalmente ou a combinação nos eixos de movimento. Empurrar é qualquer movimento que faz com que os braços distanciem a carga do centro de massa do corpo.

Ou último pilar e um dos mais importantes é a rotação. Existe uma sincronicidade do corpo por meio da suas vias de transferência de força sempre rotação que permite que os gestos do dia-a-dia e movimentos esportivos sejam realizados com grande desenvolvimento de velocidade e transmissão de força.

Observe que muitas vezes ou quase todas as vezes os membros inferiores e superiores estão sempre em oposição ou seja enquanto um está projetada frente o outro está projetada para trás, enquanto um está fletido o outro esta estendido. Este imagem pela atuação do padrão rotacional.

Prevenção e Recuperação de Lesões

Dada a especificidade dos quatro pilares de movimento, o treinamento funcional tem figurado como principal metodologia para prevenção de lesão de pessoas comuns, atletas e idosos. Além dos quatro pilares de movimento a especificidade também pode ser verificada em cada articulação.

Algumas articulações são vocacionadas para gerar o movimento. É o exemplo do ombro, do quadril, da coluna torácica e do tornozelo. Nessas articulações observamos grandes amplitude de movimento e por isso uma lesão em suas estruturas pode comprometer a sua função.

É papel da reabilitação e do treinamento funcional devolver as suas articulações a mobilidade e a força em seus ângulos extremos.

Outras articulações são responsáveis pela estabilidade. É o caso do joelho, da coluna lombar e da escápula. A função dessas articulações é permitir a rigidez necessária, para que as articulações móveis possam ter o seu ponto de apoio para que efetivamente gerem movimento.

Isso não significa que essas articulações não possam gerar movimento, muito pelo contrário, elas geram o movimento, porém em alguns momentos ficam rígidas permitindo a transmissão de força corporal.

Um exemplo disso é a estabilidade da coluna lombar, que faz com que o quadril possa ser móvel por uma grande amplitude de movimento.

Essa grande amplitude permite gestos motores explosivos e a movimentação 360° do corpo através da rotação.

Se pudesse daria apenas um conselho: “Treine movimento e treinará seus músculos, treine seus músculos e não treinará movimento”.

Quem pode praticar o Treinamento Funcional

O treinamento funcional permite com que trabalhemos especificamente cada articulação, cada capacidade, cada movimento e cada gesto esportivo. Sendo assim, NÃO podemos confundir treinamento funcional com treinamento coletivo de alta intensidade com exercícios livres.

Como dissemos no começo desse artigo treinamento funcional é uma forma de se pensar no objetivo do treinamento ou seja , independente da ferramenta que se quer utilizar, do tipo de aula, ou dos recursos que são utilizados em uma aula, classificaremos esse treinamento como funcional ou não funcional segundo os objetivos específicos da sessão de treinamento.

Uma pessoa praticante de ioga pode utilizar a musculação como forma de fortalecimento para prevenção de lesão a qual a ioga pode nos expor. O atleta de luta pode utilizar exercícios de suspensão para melhorar a sua pegada e deixar o seu padrão de puxar mais eficiente para o combate. Um atleta de futebol pode utilizar exercícios corretivos de corrida para melhorar a sua velocidade de sprint.

Essas são as premissas do treinamento funcional: fazer o corpo realmente funcionar para aquilo que se quer, seja para prevenir lesão, seja para otimizar a queima de substratos energéticos ou para melhorar a mecânica e a eficiência corporal.

Logo o treinamento funcional pode e deve ser utilizado por atletas de todas as modalidades que querem atingir alta performance e reduzir a sua incidência de lesão.

Idosos, gestantes e pessoas que buscou se a reabilitar podem e devem utilizar o treinamento funcional em associação com trabalho fisioterápico a medida que o equilíbrio dos pilares de movimento traz e melhoras mecânicas importantes para essas populações.

Pessoas que querem perder peso podem e devem utilizar o treinamento funcional como estratégia principal de treinamento a medida, que o treinamento funcional promove a otimização dos sistemas de queima de energia, o fortalecimento de todas as articulações e músculos que fazem com que a pessoa não lesione no processo de emagrecimento.

Esperamos que você tenha gostado deste artigo e lembre-se sempre de que mais importante do que “O QUE” fazemos é “COMO FAZEMOS”. Por isso, antes de procurar “treinar funcional”, escolha bem quem irá estruturar e ministrar o seu treino, seja ele funcional ou não !



Share This